Colite e a Medicina Tradicional Chinesa

Sabia que a colite é também conhecida como Doença de Crohn?

A Doença de Crohn é uma doença inflamatória séria do trato gastrointestinal e afeta predominantemente a parte inferior do intestino delgado (íleo) e intestino grosso (cólon), mas pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal. É uma doença crónica e provavelmente provocada por desregulação do sistema imunológico (ou seja, do sistema de defesa do organismo).

A Doença de Crohn é mais comum em pessoas entre os 20 e os 40 anos, no entanto pode afetar qualquer faixa etária.

Tal como na maioria das doenças, existem alguns fatores de risco que se encontram associados à mesma, sendo os mais comuns os seguintes:

  • Idade – esta doença desenvolve-se geralmente antes dos 30 anos mas pode, contudo, ocorrer em qualquer idade;
  • História familiar – Existe um aumento do risco de desenvolvimento de colite em familiares de indivíduos com a doença;
  • Tabagismo – O tabaco é o principal fator de risco para a doença de Crohn que pode ser controlado. O tabaco associa-se não só a um aumento do risco de desenvolver a doença como também a doença mais grave, pelo que todas as pessoas com o diagnóstico desta patologia devem parar de fumar;
  • Demografia – A doença é mais comum em indivíduos que residam em zonas urbanas de países industrializados.

Diferentemente da Doença de Crohn, em que todas as camadas estão envolvidas e na qual pode haver segmentos de intestino saudável normal entre os segmentos do intestino doente, a colite ulcerativa afeta apenas a camada mais superficial (mucosa) do cólon de modo contínuo.

Dependendo da região afetada, a Doença de Crohn pode ser chamada de ileite, enterite regional ou colite. Para reduzir a confusão, o termo Doença de Crohn pode ser usado, para identificar a doença, qualquer que seja a região do corpo afetada (íleo, cólon, reto, ânus, estomago, duodeno).

Os seus principais sintomas são:

  • Diarreia;
  • Dor abdominal;
  • Perda de peso;
  • Dores nas articulações
  • Lesões na pele;
  • Lesões na região periana

O desenvolvimento da Doença de Crohn é imprevisível. Alguns pacientes não têm nenhum sintoma até que ocorre um surto ou começam a surgir reclamações, que se modificam ao longo de um período. A reação é diferente de pessoa para pessoa, porque a Doença de Crohn não progride da mesma maneira em todos os pacientes, o que também dificulta o diagnóstico e o controle dos sintomas. Porém, há uma classificação básica da doença, conforme os sintomas:

  • Leve a moderada

Neste estágio, o paciente tem diarreia frequente e dor abdominal, mas pode andar e comer normalmente. Não está desidratado, nem tem febre alta. Também não sente dor abdominal forte, obstrução ou perda de peso de mais de 10%.

  • Moderada a grave

É o paciente que falhou no tratamento de doença leve a moderada ou tem sintomas mais evidentes, como febre, perda de peso significativa, dor abdominal ou sensibilidade, náusea e vómitos intermitentes ou anemia significativa.

  • Grave fulminante

Sintomas persistentes apesar de ter passado pelo tratamento adequado para o estágio moderado ou grave da doença. Pode sentir febre alta e vômitos persistentes. O paciente apresenta também evidências de obstrução intestinal ou abcesso, além de perda de peso mais grave.

Para a Medicina ocidental não existe um medicamento que cure a doença de Crohn. Existem, contudo, vários tratamentos que permitem melhorar as queixas e, inclusive, induzir a remissão por um longo período de tempo e permitir uma qualidade de vida adequada.

O tratamento adequado depende dos sintomas, da localização, gravidade e extensão da doença, resposta aos tratamentos já efetuados, número e gravidade de agudizações anteriores e tempo de remissão.

Doentes com sintomas de oclusão intestinal, fístulas, episódios agudos graves ou muito frequentes podem necessitar de uma intervenção cirúrgica.

Medicina Tradicional Chinesa e a doença de Crohn

A medicina chinesa tem documentado um grande número de sucessos no tratamento da colite e da doença de Crohn com Fitoterapia, que podem ser consumidos oralmente como uma bebida funcional.

Como na generalidade das doenças em que o arsenal terapêutico da Medicina Ocidental é fraco, nomeadamente nas doenças de cariz auto-imune a abordagem proposta pela Medicina Chinesa pode ser muito útil, quer no alívio dos sintomas durante as crises quer de forma profiláctica diminuindo o número e a intensidade dos episódios de crise.

Diversas pesquisas realizadas, indicam também que ao conjugar a acupuntura com a fitoterapia os casos de sucesso rondam os 95%.

Uma vez que cada caso é um caso, é importante que seja realizado um diagnóstico por parte de um especialista, que irá verificar quais as causas da patologia, e a aplicar desta forma o tratamento mais adequado para o seu caso.

Podem ser aplicados, além da acupuntura e da fitoterapia, massagens tui na, moxabustão e reeducação alimentar (de forma a regenerar a energia interna).

Se sofre de colite ou qualquer patologia do trato intestinal ou se conhece alguém que sofre desta patologia, não espere mais. A Medicina Chinesa poderá ajudar no tratamento da mesma. Solicite-nos um contacto para o nº 243997479 ou por email: geral@tiandiren.pt