A demência e o consumo de ómega 3

Sabia que o consumo de ómega 3 pode prevenir os diversos tipos de demência?

A demência é considerada a maior causa de incapacidade entre pacientes idosos, sendo que a doença de Alzheimer é responsável por cerca de 70% dos casos. Idade, histórico familiar e a presença do alelo apolipoproteína E4 têm sido apresentados como fatores de risco significativos ao desenvolvimento da demência.

Vários investigadores têm analisado a ligação entre o estado do DHA no plasma e a demência. Estudos em pacientes com demência de Alzheimer têm relatado que estes têm menos 30% de DHA no cérebro em relação aos valores normais. Em vários estudos, o consumo de peixe foi associado ao menor risco de demência e acidente vascular, por ser uma fonte direta de ácidos gordos ómega-3, e, portanto, ótima fonte de DHA.

O ómega 3 é uma família de ácidos gordos polinsaturados (unidades básicas das gorduras saudáveis), que parecem ter diversos efeitos benéficos no organismo, principalmente no sistema cardiovascular e no cérebro.

O nosso organismo precisa de gordura para funcionar adequadamente, e os ácidos gordos são essenciais na formação e no funcionamento das células. O problema é que nem todos os tipos de gordura são essenciais, e algumas delas, quando em excesso, podem fazer mal à saúde, como é o caso das gorduras saturadas (queijos, manteiga, pizza, óleo de coco…).

Os ácidos gordos podem ser classificados em 3 tipos, conforme as suas características químicas:

  • Ácidos gordos saturados.
  • Ácidos gordos monoinsaturados.
  • Ácidos gordos polinsaturados.

Comer peixe regularmente pode reduzir os riscos de se desenvolver demência na velhice, e o grande responsável por isso é o ómega 3. Num estudo que envolveu mais de 16 mil pessoas com mais de 65 anos foram avaliadas em países como Peru, México, China, Índia, Cuba, República Dominicana e Venezuela. Em todos, com exceção da Índia, houve uma relação inversa entre o consumo de peixes e a prevalência de demência.

Pessoas que têm uma dieta baseada em alimentos ricos em gorduras polinsaturadas, especialmente ómega 3, apresentam claramente uma incidência menor de doenças cardiovasculares, hipertensão, colesterol elevado, diabetes e obesidade. Porém, é provável que esses resultados não venham exclusivamente do consumo de doses elevadas de ômega 3. A própria dieta mais saudável como um todo com certeza tem um importante papel.

A Medicina Chinesa através de diversas técnicas como acupuntura, fitoterapia, massagens tui na e reeducação alimentar pode ajudar os doentes que padeçam de alguma demência, ajudando a atrasar os efeitos que a mesma tem no utente.

Embora a medicina chinesa não possa curar a demência, pode atrasar o processo degenerativo e pode dar o apoio necessário à família e ao utente para lidarem com a mesma através das técnicas utilizadas.